sábado, 23 de julho de 2016

Batman e Aquaman se estranham em 1º trailer de "Liga da Justiça"

O estúdio Warner Bros. revelou na Comic-Con, o primeiro trailer de "Liga da Justiça", filme que reunirá os heróis Batman, Superman Mulher-Maravilha, Aquaman, The Flash e Cyborg e tem previsão de estrear em novembro de 2017. No vídeo, temperado com humor incomum para os filmes da DC, é mostrada uma briga entre Batman e Aquaman, além de um Flash ainda adolescente e deslumbrado. "Vamos ter problema com esse cara?", pergunta Bruce Wayne a Mulher Maravilha, numa conversa sobre recrutamento de um time de heróis. "Mais ou menos", responde ela. "Mais para mais ou mais para menos?", insiste o Batman. No momento seguinte, Aquaman surge pegando Wayne pela gola e arremessando-o contra a parede. Superman não aparece no trailer, provavelmente para manter o mistério sobre sua suposta morte nos minutos finais de "Batman vs Superman", do qual "Liga da Justiça" é continuação direta. Uma imagem oficial de todo o time reunido também foi revelada. A trama gira em torno da descoberta de três "caixas maternas", artefatos super tecnológicos alienígenas,deixadas na Terra para as três espécies que habitam nosso planeta: humanos, atlantes e amazonas. De imenso poder, as caixas agora são buscadas pelo ameaçador Steppenwolf,que planeja abrir uma porta entre dimensões e trazer o caos de seu mundo natal, Apokolips, para a Terra. É nesse ponto que Batman (Ben Affleck) e a Mulher-Maravilha (Gal Gadot) recrutam outros seres de grande poder para combater a crise.São eles o Flash (Ezra Miller), Aquaman (Jason Momoa) e Cyborg (Ray Fisher). Anunciado inicialmente como uma aventura em duas partes, Liga da Justiça foi confirmado pela produtora Deborah Snyder como sendo um filme único, sem ganchos imediatos para a sequencia. O tom se afasta da sobriedade de Batman vs Superman principalmente por causa de seus personagens: Flash e Cyborg são jovens, não tem o peso de anos de luta contra o crime do Batman ou os séculos testemunhando a humanidade em seu pior comoa Mulher Maravilha. Completando o elenco, Jeremy Irons, Amy Adams e Jesse Eisenberg reprisam seus papeis de BvS, acompanhados de Jared Leto (o Coringa de Esquadrão Suicida) e de Willem Dafoe, Amber Heard e J.K. Simmons, todos fazendo aqui sua estreia no universo expandido DC.
Mais informações »

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Guia para iniciantes Pokémon Go!

– Como encontrar Pokémon? – Para encontrar os monstrinhos, basta sair perambulando pela sua cidade até que algum Pokémon entre dentro do seu alcance(representado pelo círculo em volta de seu personagem) Uma dica legal é ficar de olho no “Nearby” no canto inferior direito da tela. Clicando ali poderá ver quais os Pokémon próximos de você! Quanto menos patinhas houver abaixo dele, mais próximo o Pokémon! – Como capturar Pokémon? – Para capturar os Pokémon, assim que um aparece, logo após ele fazer seu rugido característico, clique no Pokémon e a tela de captura se inicia. Arraste a PokéBola com o dedo de forma que a arremesse em direção ao Pokémon onde ele aparece na sua tela. Repare que o círculo em volta do Pokémon na hora da capturar pode ter cores diferentes: verde (fácil capturar) laranja(não tão fácil assim) e vermelho (difícil). Uma dica legal, é prestar atenção no círculo verde que surge ao clicar na PokéBola. Quanto menor ele estiver na hora que a arremessar, maiores as chances de conseguir capturar o Pokémon! – O que é CP?? – CP é igual no DragonBall: O poder de luta do seu Pokémon!!! Quanto maior mais forte ele é! – Como aumenta o CP? – Quando captura um Pokémon, você ganha dois itens: StarDust (insira nome do Pokémon) Candy. Cada aumento de CP exige uma certa quantidade desse Candy e de Stardust. Tendo a quantidade solicitada basta largar o dedo no botão Power UP e ver o CP aumentando!!! – Como evoluir o Pokémon? – Para evoluir seu Pokémon você deve entrar no menu onde aparecem seus Pokémon selecionar o Pokémon desejado e ter a quantidade exata de Candy daquele Pokémon. (Exemplo: 25 doce de Charmander) e ai clicar no botão de evoluir! Não testamos ainda se precisa chegar a um certo tanto de CP para evoluir ou se basta ter a quantidade de Candys do seu Pokémon. Uma dica legal é que capturar tudo o que ver pela frente, guardar consigo apenas os Pokémon com maior CP e então usar o comando Transfer nas réplicas.(Exemplo: você tem 5 Rattatas, pegue o de maior CP e use o Transfer nos demais! Você irá perder o Pokémon duplicado em que deu Transfer, mas em troca você ganha um Candy daquele Pokémon! – Acabaram minhas PokéBolas! O que eu faço?!?!?! – Não se preocupe. Você tem duas opções! Comprar mais pelo lojinha virtual do jogo (isso exige dinheiro de verdade para comprar as PokéCoins a ser usadas para comprar os itens da loja) ou simplesmente andar até um PokéStop perto da sua casa ou trabalho e clicar nela. Você gira o círculo que tem a fotinho e se der sorte ganha muitas Poké Bolas e até outros itens! (Não se preocupe é bem alta a chance de vir Pokébolas! eu ganhei 25 numa só!) Além disso ao subir de nível você ganha Poké Bolas como prêmio também. A cada 5 minutos a PokéStop volta ao normal e já dá para coletar mais Poké Bolas. Fonte: Pokémon Go Brasil / Gilink
Mais informações »

Pokémon GO é lançado oficialmente em 26 países

A Niantic através de seu perfil oficial no Facebook, liberou o famoso Pokémon GO em 26 países! Segue lista dos Países! Áustria, Bélgica , Bulgária, Croácia, República de Chipre, República Checa, Dinamarca, Estonia , Finlândia, Grécia, Groenlândia,Hungria, Islândia, Irlanda,Letonia, Lituânia,Luxemburgo, Malta, Países Baixos, Noruega, Polônia, Romênia,Eslováquia, Eslovênia, Suécia e suíça! O jogo chegará ao Brasil em poucos dias, porém, já pode ser baixado pelo link: Quando o assunto é Pokémon GO, sempre há o que discutir, ponderar, ou descobrir. A Apple pode levantar US$ 3 bilhões em receita com a febre do "Pokémon Go" no período de um a dois anos, prevê a corretora norte-americana Needham&Co. A receita deve vir da venda de "PokeCoins", moedas usadas no jogo, em sua loja de aplicativos. "Pokémon Go" pode ser baixado de graça, mas usuários do iPhone podem adquirir PokeCoins para comprar recursos adicionais do game. Um pacote com 100 moedas do jogo de realidade aumentada com personagens da Nintendo custa US$ 1 na loja da Apple, mas o preço pode chegar a US$ 100 por um pacote de 14,5 mil PokeCoins. "Acreditamos que a Apple fica com 30% da receita de 'Pokémon Go' gerada em dispositivos com o sistema iOS, o que sugere um potencial para crescimento de resultados", disse a analista Laura Martin, da Needham, em relatório a clientes. Também está disponível para dispositivos Android, o game já foi lançado em 35 países. "Pokémon Go" tinha 21 milhões de usuários ativos em 18 de julho só nos Estados Unidos, menos de duas semanas depois de ter sido lançado no país. Martin afirmou que o engajamento de usuários pagantes de "Pokémon Go" ante a base total de jogadores é 10 vezes maior que a de Candy Crush, o sucesso da King Digital que gerou mais de US$ 1 bilhão em 2013 e 2014. Usuários nos EUA estão gastando muito mais tempo no jogo da Nintendo do que no Facebook ou no WhatsApp, segundo a empresa de pesquisa de mercado Sensor Tower. Sabe aquele objeto que parece um tipo de relógio, ou broche no vídeo oficial? SIM É ELE MESMO! O incrível GO PLUS. Este magnífico acessório, que pode tanto ser usado como um broche, quanto preso ao pulso como um relógio, é o Gadget oficial que será lançado com Pokémon GO. Embora não seja um item obrigatório para poder curtir Pokémon GO, consideramos um “Must Have” definitivo no sentido de que, mesmo não precisando para o app funcionar, tê-lo será um bônus para quem investir na novidade.
Mais informações »

domingo, 10 de julho de 2016

Portugal supera ausência de Cristiano Ronaldo, bate a França e vence a Eurocopa

A pressão da torcida francesa e o fato de contar com Cristiano Ronaldo na decisão por pouco menos de 25 minutos não impediram Portugal de ficar com o título da Eurocopa neste domingo, no Stade de France, em Paris. Após um empate por 0 a 0 no tempo normal, os comandados do técnico Fernando Santos foram bem na prorrogação e chegaram ao gol em um chute de fora da área do atacante Éder. Um dos destaques da partida foi a lesão do astro Cristiano Ronaldo, que deixou o gramado chorando no primeiro tempo após uma entrada dura de Payet. Com o triunfo deste domingo, a seleção portuguesa escreve a página mais bonita de sua história. Há 12 anos, os lusos pararam na retranca da Grécia e ficaram com o vice-campeonato da Eurocopa. O goleiro Rui Patrício foi o principal jogador português na decisão da Eurocopa. O camisa 1 brilhou ao evitar gols de cabeça de Griezmann e Giroud no primeiro tempo. Na segunda etapa, manteve o bom nível de atuação e passou muita segurança quando exigido. Reforço do Barça mostra segurança na defesa Samuel Umtiti ganhou a titularidade durante a Eurocopa e convenceu Deschamps. Contra a Alemanha, o zagueiro de 22 anos teve excelente atuação e levou a melhor contra Draxler, Özil e Müller. Neste domingo, ele mostrou novamente o repertório que chamou a atenção do Barcelona e fez os catalães desembolsarem R$ 90 milhões por sua contratação. Apontado como uma das principais peças da seleção francesa e cobiçado por grandes clubes europeus, Paul Pogba deixou a desejar na decisão da Eurocopa. Recuado por Deschamps, o jovem atuou mais próximo aos zagueiros, participou pouco do jogo no primeiro tempo e não mostrou sua combinação entre qualidade técnica e força física. Acabou ofuscado por Sissoko, que ganhou espaço durante o torneio e foi mais eficiente neste domingo. O atacante Cristiano Ronaldo deixou a final da Eurocopa contra a França chorando aos 25 minutos do primeiro tempo depois de tentar jogar no sacrifício. Logo aos 7 minutos de jogo, Cristiano Ronaldo sofreu uma pancada em disputa com Payet e caiu no chão. Após deixar o campo e ser atendido, o jogador voltou a campo. Sentindo muitas dores no joelho esquerdo e mancando, ele não aguentou e caiu novamente aos 17 minutos, pedindo atendimento médico. Voltou com uma atadura no local das dores, mas não suportou a dor, Deixou o campo chorando aos 25 minutos, de maca e sob aplausos dos torcedores franceses. Quaresma entrou em seu lugar. A saída precoce de Cristiano Ronaldo teve uma rápida repercussão nas redes sociais. Seu companheiro de Real Madrid Gareth Bale escreveu uma mensagem dizendo estar triste pelo ocorrido. "Terrível ver Cris saindo de campo deste jeito. Espero que não seja nada muito ruim", escreveu no Twitter. O País de Gales de Bale foi derrotado por Portugal na semifinal da Eurocopa. Sete minutos após o apito inicial, Cristiano Ronaldo recebeu uma entrada de Payet e reclamou de dores no joelho. Em seguida, o astro português desabou no gramado e começou a chorar. Mancando, ele ainda tentou voltar ao jogo, mas seu desempenho já estava comprometido. Aos 24, visivelmente abalado, foi carregado para o vestiário em uma maca sob os aplausos da torcida lusitana. Quaresma foi o escolhido pelo técnico Fernando Santos para substituir o craque. A França começou a partida adiantando sua marcação e encurralou Portugal. O time de Deschamps teve três chances claras de gol nos primeiros 15 minutos e só não abriu o placar porque Rui Patrício fez defesas espetaculares em cabeceios de Giroud e Griezmann. Apesar da saída de Cristiano Ronaldo, a seleção portuguesa cresceu de produção na segunda metade do primeiro tempo e equilibrou as ações. Sem o embalo do início do jogo, a França perdeu posse de bola e viu o adversário reagir. Os franceses finalizaram quatro vezes ao longo do primeiro tempo – contra quatro dos portugueses. Em um segundo tempo morno e marcado pela tensão das duas equipes, os portugueses conseguiram segurar o resultado e souberam conter a força física dos donos da casa. A queda de rendimento da França no setor ofensivo levou Deschamps a abrir mão do meio-campista Payet e colocar em campo o atacante Coman. Gignac também entrou como alternativa para tentar furar o bloqueio lusitano. Quando os dois times pareciam ter receio de ir à frente, no fim do segundo tempo, Lloris foi obrigado a fazer duas defesas difíceis. Faltando um minuto para o fim do tempo normal, Gignac deixou Pepe no chão com um belo drible e, de dentro da pequena área, chutou na trave do goleiro Rui Patrício. A prorrogação foi marcada pelo nervosismo dos dois times. Com franceses e portugueses desgastados fisicamente, sobraram chutões e bolas aéreas. Foi pelo alto que Quaresma, aos 14 minutos do primeiro tempo da prorrogação, encontrou a cabeça de Éder, que só não balançou as redes porque Lloris foi bem no reflexo. Logo aos 2 minutos da segunda etapa da prorrogação, o lateral português Guerreiro cobrou falta na trave da França. A pressão lusitana gerou resultado no minuto seguinte. Éder, que substituiu Renato Sanches, conduziu a bola e bateu com força no canto de Lloris, levando Cristiano Ronaldo às lágrimas. Griezmann desperdiça chances claras Campeão europeu sub-19 em 2010, Griezmann só estreou pela seleção principal em março de 2014 em razão de uma punição imposta pela Federação Francesa de Futebol, que descobriu que o jogador abandonou uma concentração da equipe sub-21 para curtir uma festa. O atacante passou de coadjuvante a protagonista nas últimas duas temporadas. As boas atuações pelo Atlético de Madri e a ausência de Karim Benzema o transformaram em uma referência do sistema ofensivo francês nesta Eurocopa. O camisa 7 chegou à decisão como artilheiro, mas desperdiçou oportunidades claras diante de Rui Patrício e ficou abaixo do esperado. Autores da música oficial da Eurocopa, "This One's For You", o DJ francês David Guetta e a cantora sueca Zara Larsson comandaram a cerimônia de encerramento da competição. A palavra "merci" (em português, "obrigado") apareceu no gramado pouco antes da entrada das equipes.
Mais informações »

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Diego Hypolito é convocado para defender Brasil na ginástica da Rio 2016

O ginasta Diego Hypolito fará parte da equipe brasileira nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. O nome dele apareceu na convocação desta sexta-feira. Diego apareceu na lista ao lado de Arthur Nory Mariano, Arthur Zanetti, Francisco Barretto Júnior e Sérgio Sasaki. Caio Souza e Lucas Bitencourt são os reservas da equipe. "Essa configuração da equipe se deve ao estudo do maior número possível de finais para o Brasil e, consequentemente, de medalhas. Esses ginastas foram os melhores nas últimas avaliações que fizemos", explicou Leonardo Finco, coordenador da seleção. O treinamento da equipe acontecerá em São Bernardo do campo até o dia 24 de julho. A lista das mulheres que formarão a equipe brasileira também foi divulgada nesta sexta-feira. O time já havia sido anunciado no evento-teste em abril deste ano. Daniele Hypolito, Flávia Saraiva, Jade Barbosa, Lorrane Oliveira e Rebeca Andrade serão as atletas. Carolyne Pedro ficará como reserva. O treino da equipe feminina será feito em três cidades. Começará em Beekbergen, na Holanda, seguirá no Rio de Janeiro e depois para Curitiba.
Mais informações »

quinta-feira, 7 de julho de 2016

O lado radical do campeão olímpico Arthur Zanetti

Você consegue se imaginar ganhando uma medalha? Pois saiba que muita gente acredita que visualizar a cena na mente é o primeiro passo para subir ao pódio na Olimpíada do Rio. Arthur Zanetti, 26 anos, campeão em Londres-2012, é um deles. Há dez anos, o ginasta faz um trabalho de psicologia esportiva nesses moldes, um tipo de hipnose. "Mas ele não fica em transe completo, como na hipnose de palco. Ela é específica para o atleta", explica a psicóloga Maria Cristina Miguel. O atleta se imagina em movimentos complexos, vendo quais são as forças envolvidas, que partes do corpo precisará acionar em cada momento. Quando é hora de realmente fazer o exercício, já sabe o que esperar e como superar os desafios. Usamos bastante para elementos novos e para movimentos em que temos algum tipo de dificuldade. Você pode imaginar outro atleta fazendo esse movimento. Ou você mesmo. E repete até sair tudo perfeito, relata Arthur. Some o preparo psicológico a uma rotina espartana de treinamentos, de seis horas diárias intensas no ginásio, fazendo força, e você tem a receita para se moldar um atleta campeão. Todo o resto - até o vício em esportes radicais - fica de lado. O Mundial de 2015 foi um marco na carreira de Arthur Zanetti. Pela primeira vez, ele foi a um campeonato adulto deste porte e não subiu ao pódio. Mas esqueça o 9º lugar. Naquela ocasião, o brasileiro mudou sua rotina de treinamento para ajudar o Brasil a classificar a equipe para os Jogos Olímpicos. Conseguiu. Desde então, venceu todos os torneios que disputou. Aliás, desde o ouro olímpico em 2012, Zanetti só deixou ir ao pódio uma vez, justamente no Mundial de Glasgow-2015. Impulso Uma série nas argolas precisa de cinco grupos de movimentos que envolvem rotação, força e equilíbrio. Também é necessário impulso. Para um elemento se enquadrar, precisa começar com impulso e terminar com outro impulso ou em um apoio de mão Balanço + Equilíbrio O segundo grupo envolve balanços e um movimento de equilíbrio, a parada de mãos. É como "plantar bananeira" nas argolas. Importante: na parada de mãos, as cordas não devem se movimentar. Qualquer balanço resulta em perda de pontos. Rotação + Força A força entra em cena no terceiro grupo. Aqui, as pontuações começam a aumentar. Esse grupo engloba elementos que começam com impulsos e terminam com movimentos de força, como o Cristo, um dos mais icônicos do aparelho. Força O quarto grupo é o que separa os especialistas das argolas dos outros mortais. Aqui, é necessário fazer força para se manter na posição exigida e mantê-la por pelo menos dois segundos. O elemento Zanetti, batizado pelo brasileiro, se enquadra aqui. Saída O último elemento de toda série também vale. O ginasta sempre termina sua rotina com mortais soltando as argolas e chegando ao solo. O importante, aqui, é fazer a aterrisagem perfeita, se possível sem passos, na chamada saída cravada. Como se dar mortais e piruetas já não fosse suficientemente arriscado, Arthur Zanetti sempre foi um amante dos esportes radicais. A adrenalina dos hobbies, porém, teve que ficar de lado em nome da integridade física. "Eu sempre fui chegado em atividades radicais. Surfo desde os 14 anos. Antes, eu descia para o litoral duas vezes por mês para surfar. Hoje, não dá mais tempo. Ou melhor. Nem posso. Pode ser perigoso. A quilha é afiada, pode acontecer um acidente", conta o ginasta. Mas ele às vezes dá suas escapadas. "Nas férias eu ainda consegui surfar um pouco. Desci a serra, peguei algumas ondas, com cuidado. Não consigo ficar totalmente sem fazer. E é uma atividade legal para desestressar". Fonte: UOL
Mais informações »

domingo, 26 de junho de 2016

Emporio Armani 2017 Spring Summer Menswear Collection

Mais informações »

Dsquared² Spring Summer 2017 Fashion Show Menswear

Mais informações »

Faixa preta há menos de um ano, Rafael Buzacarini vira principal aposta de surpresa do judô

Ele precisou de cinco meses após o Pan para superar o adversário no ranking internacional e conseguir a graduação mais alta no esporte, a faixa preta. Foi oficializado no início do mês para integrar a equipe olímpica do esporte. Em um time com dez medalhistas olímpicos e campeões mundiais, o segundo lugar conquistado por Buzacarini no Grand Slam de Paris, em novembro, que lhe garantiu a vaga, parece até uma credencial modesta. Mas para a comissão técnica da CBJ (Confederação Brasileira de Judô), ele é a principal aposta de surpresa. "Buzacarini está muito solto. O treino dele rende muito bem porque brinca quando está livre e foca na luta. Ele cresceu muito no último ano", disse Ney Wilson, gestor de alto rendimento da CBJ. Medalhas inesperadas fazem parte da história do esporte no Brasil. A judoca Ketleyn Quadros se classificou para os Jogos de Pequim-2008 após Danielle Zangrando se lesionar no início do processo seletivo. Com o bronze, tornou-se a primeira mulher a obter uma medalha em prova individual pelo país. O mesmo ocorreu com Carlos Honorato, prata em Sydney-2000. Ele obteve a vaga após Edelmar "Branco" Zanol fraturar uma costela. Buzacarini superou Corrêa no tatame no último ano do ciclo olímpico e se tornou a "zebra favorita" da equipe. Para Honorato, um dos ídolos de Buzacarini, chegar aos Jogos sem grandes títulos pode ser uma vantagem. "Em 2000 ninguém sabia quem era Carlos Honorato. Cheguei muito mais leve na Olimpíada. Mas na seguinte, a pressão era muito maior. Fiquei muito preocupado em não errar e prejudicou a luta", afirmou Honorato, que não obteve medalha na Olimpíada de Atenas-2004 quando era favorito. 'BRINCALHÃO' Pressão parece passar longe de Buzacarini. Na apresentação da equipe, fez troça da foto oficial de apresentação. "Fiquei até mais moreno", disse ele, que muitas vezes é questionado se tem albinismo por ser muito branco. "Estou tranquilo, confiante. Tenho que fazer o meu melhor, relaxado. Como eu sou o novato, sou tranquilo e brincalhão", afirmou. Até 2010, ele treinava como um atleta amador em sua cidade natal. Ao chegar a São Caetano, as atividades mais intensas fizeram com que perdesse peso e mudasse da categoria de pesado (acima de 100 kg) para meio-pesado. O que não perdeu no período foi o apelido "Bolo Cru". "O pessoal falava: 'Você é branquinho, gordinho. Parece uma massa de bolo'. Aí virou Bolo Cru", contou. Dois anos depois, passou a integrar a seleção brasileira. A rápida ascensão acabou deixando despercebido um detalhe: a faixa marrom com que disputava as competições nacionais. A faixa preta não chegava porque o judoca nunca conseguiu conquistar a competição regional que dá a graduação. Outra forma de obtê-la é com indicação da CBJ, o que ocorreu no fim do ano, após a prata em Paris. "Nas competições internacionais, todo mundo usa preta. Então ninguém percebeu. Quando o Luciano soube, ficou indignado. Eu não esquentava com isso", disse Buzacarini, aos risos. RAIO-X RAFAEL BUZACARINI Nascimento Barra Bonita (SP), 6.out.1991 Categoria Meio-pesado (até 100 kg) Principal resultado Prata (Grand Slam Paris-2015)
Mais informações »

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Arthur Zanetti fala em 15,800 para medalha na Rio 2016

Na lousa, as metas de Arthur Zanetti estão traçadas. Um a um, os objetivos foram sendo riscados e dando espaço a novos planos para o ginasta. A primeira medalha em Mundiais, o ouro de Londres, o título mundial de 2013, o ouro nos Jogos Pan-Americanos. Tudo já foi apagado. Zanetti olha para o futuro, para um novo desafio: o bicampeonato olímpico das argolas. O caminho para isso não é muito diferente dos Jogos de Londres: dedicação e esforços diários nos treinamentos para alcançar os 16,000 pontos. - Não temos certeza do número exato, mas acreditamos que com 15,800 pontos o ginasta pode ser medalhista. Não digo de ouro, mas medalhista. A gente sempre tenta tirar a maior nota possível, que é 16,000 ou 16,050. É o nosso objetivo e é o que vamos buscar para conseguir dar o melhor resultado para o Brasil - disse o ginasta, entre flashes de um ensaio fotográfico para um patrocinador, mas mesmo assim a "pausa" no treinamento foi para fotos malhando. Em 2012, Zanetti foi campeão em Londres com 15,900 pontos. No entanto, o código de pontuação mudou para o ciclo olímpico do Rio de Janeiro. Assim, a comparação melhor é com o título mundial de 2015 - o grego Eleftherios Petrounias venceu em Glasgow com 15,800 - e com os resultados dos adversários na temporada. Com 15,866 do título do evento-teste de abril, o brasileiro tem a quinta maior nota das argolas em 2016, enquanto o britânico Courtney Tulloch lidera com 16,050 de uma competição nacional. - Meu coração e minha mente estão muito ansiosos. Quero que chegue logo essa competição, porque é muito esperada. São vários anos de trabalho para chegar em um minuto, fazer nossa prova e decidir nossa vida. Então estou muito ansioso para demonstrar o meu melhor e ver o resultado final - disse o campeão olímpico. Zanetti alcançou os 16,050 na Copa do Mundo de São Paulo de 2015. Ele se isolou nos treinos em São Caetano do Sul por um foco total na preparação olímpica. Por estratégia, não revela se vai apresentar no Rio a série bem encaixada do evento-teste ou se aumentará a dificuldade para buscar os 16,000 pontos. O ritmo de trabalho é intenso, mas ainda assim ele se sente mais à vontade no ginásio do que posando para câmeras em sessões de fotos para patrocinadores como fez na última semana, mesmo que o ambiente das fotos seja o da musculação. - É difícil ser modelo por um dia. Todo mundo pergunta: “O que é mais difícil? Treinar, dar entrevistas ou sessão de fotos?” Com certeza treinar é muito mais fácil. Essa parte de sessão de fotos o atleta não está acostumado, não é o dia a dia dele, mas ele sabe que é muito importante. A gente faz por amor mesmo. Fonte: Portal AZ
Mais informações »

sábado, 18 de junho de 2016

Movimento Rio Moda Rio reúne desfiles, palestras, talkshows, festas e gastronomia

Inspirador de um lifestyle desejado no mundo todo, o Rio de Janeiro retoma sua vocação natural para a moda e atrai novamente os holofotes do mundo fashion. O Movimento Rio Moda Rio, que respira o estilo de vida da cidade, dá o seu pontapé inicial com uma semana de desfiles, entre 15 e 18 de junho, no Píer Mauá, e vai além das passarelas com uma plataforma inédita de ações que se estende pelo ano todo com o desejo de quebrar regras, celebrar a criatividade de estilistas, descobrir talentos e impulsionar o mercado. À frente da empreitada, estão os empresários Rodolfo Medina e Duda Magalhães, da Dream Factory, que realiza o Rock in Rio, e Luiz Calainho, da L21, que faz a Feira Art Rio. Com investimento de R$ 15 milhões, o principal parceiro do Rio Moda Rio é o Sistema FIRJAN, com patrocínio do SENAI, Sebrae e Natura. A plataforma também conta com apoio do Sesi e tem a Air France e a Gol como transportadoras oficiais. Com curadoria de Carlos Tufvesson, dono de uma trajetória de destaque na moda brasileira, o line-up da primeira edição conta com 14 grifes confirmadas: Alessa, Andrea Marques, Blue Man, Guto Carvalhoneto, Isabela Capeto, Ivan Aguilar, Lenny, Lino Villaventura, Mara Mac, Maria Filó, Martu, Osklen, Patrícia Viera e The Paradise. O nome do movimento vem do lendário Grupo Moda-Rio, núcleo organizado por um time de criadores dos anos 70 para unificar o calendário a partir de desfiles e eventos. O Rio Moda Rio traz o mesmo espírito agregador, concebido com a ativa participação de estilistas e pensado para atender às necessidades atuais do setor. Um movimento que dura o ano todo “Não é um evento, é um movimento. É um formato que vai ao coração do consumidor”, explicou Duda Magalhães, da Dream Factory, mostrando que o Movimento Rio Moda Rio terá uma série de ações ao longo do ano. “O Rio Moda Rio é a grande oportunidade de transformar um projeto de moda e uma plataforma completa de comunicação. Queremos ir além das passarelas e, para isso, trazemos um evento que permeia todo o ano com ações voltadas para o mundo da moda”, contou Medina. “Não se provoca uma grande mudança apenas com um evento. É preciso um movimento. Queremos que o assunto seja perenemente tratado, ao longo dos 365 dias do ano”, reforçou Calainho. Ele ressaltou também a ligação de arte com moda, no lançamento da plataforma. “Os estilistas são nossos artistas e a moda é a arte. Moda é criação.” O Movimento Rio Moda Rio segue, após a semana de moda, com programação multidisciplinar por todo o ano. Terá um edital para novos estilistas, sendo que três deles serão premiados com a participação na segunda edição do RMR. Haverá também ciclos de palestras temáticas em faculdades, exposições de relevância cultural e artística para a cidade e um prêmio dedicado aos melhores do segmento em 12 diferentes categorias, que será realizado no fim deste ano. Primeira semana “see now, buy now” do mundo A semana de desfiles será a primeira do mundo a realizar o sistema “see now, buy now” (“veja agora, compre agora”), em que é possível comprar nas lojas o que acabou de ver na passarela. “Estamos firmando compromissos com as marcas para que levem às lojas, após suas apresentações, ao menos um preview das coleções”, disse o curador Carlos Tufvesson. As nomenclaturas das estações do ano serão abolidas, e parte das coleções mostradas estará à venda pelas grifes logo após a apresentação. O sistema busca ir ao encontro das necessidades do consumidor atual, que recebe as informações, inclusive de moda, de forma imediata por meio das redes sociais. “Nascemos! O que estamos apresentando aqui é algo que não me lembro de ter visto em 20 anos na moda brasileira”, afirmou Carlos Tufvesson. “Está nascendo algo para que a gente possa trabalhar junto e mudar esse panorama. As pessoas têm que poder empregar mais e vender mais. Viva!”, disse o curador no lançamento da plataforma, realizado no Museu de Arte do Rio, em abril. “O Rio Moda Rio surge em um momento muito importante para a cidade do Rio de Janeiro. No ano em que receberemos os jogos olímpicos, é muito importante fortalecer outros aspectos da cultura de nosso estado e a moda é um dos principais segmentos que merece destaque, vendendo o lifestyle do carioca, nossa criatividade e diferencial de produto”, conforme declaração do Sebrae. “Queremos reforçar o desenvolvimento da Cadeia da Moda, um dos principais segmentos na geração de emprego e renda do Estado. O movimento Rio Moda Rio atende plenamente esse objetivo e o desejo dos nossos empresários de apostar em um novo formato de estímulo aos negócios neste setor”, destaca Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, presidente do Sistema FIRJAN. O patrocínio da Natura aproxima a marca do campo da moda e beleza como parte da estratégia de evolução do seu posicionamento institucional, expressa também na campanha “Viva sua beleza viva”. “Enxergamos a moda como expressão de individualidade, uma manifestação cultural. A parceria com o Rio Moda Rio é uma oportunidade para dialogar com um público sensível ao tema da beleza, que vive e celebra a moda, sobre essa beleza viva de que estamos falando”, revela Denise Figueiredo, diretora de marca e consumidor da Natura. Democratização da moda A proposta do Rio Moda Rio é a democratização da moda. “Trazer mais pessoas apaixonadas por moda para essa nossa família”, disse Carlos Tufvesson. Habitualmente sem trânsito nas semanas de moda, o público terá acesso às atividades no Píer Mauá a partir da compra de ingressos. Com exceção das salas de desfile, todas as atrações estarão abertas: Rio Moda Rio Antecipa (pop up stores com produtos exclusivos das marcas participantes), Rio Moda Rio Descobre (espaço para exposição e venda de novos estilistas e designers), Rio Moda Rio Apresenta (palco para shows e performances artísticas após os desfiles), circuito Art Rio (exposição de galerias de arte contemporâneas selecionadas), Rio Moda Rio Conversa (programação de palestras e workshops), Rio Moda Rio Degusta (área de alimentação com o melhor da gastronomia carioca) e Rio Moda Rio Lounges (espaços de convivência e entretenimento dos patrocinadores). “A moda é um segmento importante da criação, assim como o design, a música e a gastronomia. Nosso compromisso é cruzar e tangibilizar outros setores em torno da moda, aproximá-la da economia criativa e levá-la para uma dimensão além da conhecida”, afirma Duda Magalhães. A moda no centro do lifestyle carioca O Rio Moda Rio respira o lifestyle da cidade. No primeiro dia, acontece um desfile-homenagem a marcas históricas dos anos 80 e seus grandes mestres, até hoje reverenciados pela influência no estilo de vestir do brasileiro. Com direção do artista internacionalmente reconhecido Gringo Cardia, serão lembradas coleções icônicas da Company, Georges Henri, Maria Bonita e Yes, Brazil. Já no encerramento, para aproximar ainda mais a moda do público, um desfile coletivo e aberto ao público, produzido pela Aventura Entretenimento, levará os destaques da semana à Praça Mauá, símbolo do programa de revitalização Porto Maravilha. A melhor vitrine para a moda dos novos tempos.
Mais informações »

terça-feira, 7 de junho de 2016

Confira a programação da 1ª Bienal do Livro de Juiz de Fora

A realização da 1ª Bienal do Livro de Juiz de Fora é uma aposta de donos de livrarias e editoras não só para movimentar como para chamar a atenção para o setor, além de criar uma opção de atividade para a cidade e região em junho. Com a vinda de autores nacionais e premiados, mesas-redondas, oficinas e a possibilidade de atendimento personalizado às excursões de escola, os organizadores esperam 60 mil pessoas em seis dias. Segundo dados da Classificação Nacional de Atividade Econômica (CNAE), Juiz de Fora conta com 135 empresas cadastradas como “comércio varejista de livros”. No entanto, o Sindicato do Comércio alerta que algumas empresas são cadastradas desta forma mesmo sem ser do setor. Para o presidente do Sindicomércio, Emerson Beloti, a Bienal vai expor para o cenário interno e externo a cidade como uma importante opção para realização de eventos. Na opinião dele, isso reflete além das livrarias e editoras. "O ganho direto é para as redes hoteleira e gastronômica, mas o comércio sente, de forma muito positiva, os impactos não só na área específica, que na Bienal seria para livrarias e editorias, mas também em setores como vestuário, perfumarias e chocolates, por exemplo. Por se tratar de um evento de duração relativamente extensa, quem chega à cidade quer conhecer, acaba consumindo, consequentemente”, destacou Beloti ao G1. Valorização e vitrine Serão mais de 60 horas de programação em seis dias de bienal. Além dos eventos oficiais, expositores irão realizar atividades próprias. Será o caso da Franco Editora e da Livraria Arco-Íris, como explica o proprietário Fernando Franco. "Queremos valorizar o que é nosso. Faremos muitas ações de lançamentos de livros com autores locais. Também receberemos escritores de Brasília e de Teresópolis. Teremos oficinas para crianças e para professores, com contação de história, sobre educação financeira, ecologia", disse O dono da Palavras & Ideias, Clerison Rocha, disse que reforçou o estoque para a Bienal, focando nas opções de livros infantil e infantojuvenil. Ele confia no resultado positivo da iniciativa para o setor. "Por causa da crise, temos que realizar este evento como o melhor do mundo. Fazer a melhor Bienal para que as próximas edições tenham um nível ainda maior. Estou acreditando no evento porque não existe um pai ou uma mãe que não queiram um filho leitor, então é um presente que não tem rejeição com todas as opções de preços para o consumidor", destacou. A franqueada da unidade Zona da Mata da editora DSOP, Ana Santhos, destacou que o objetivo é oferecer opções variadas que atendam diferentes faixas etárias do público visitante. “Além de trazer o Luiz Ruffato, vamos ter oficinas pedagógicas para adultos, professores e público infantil. Teremos todos os programas e projetos sobre educação financeira para alunos do ensino infantil ao médio. Queremos apresentar nosso acervo para a cidade que ainda não nos conhece como editora, todas as nossas obras literárias através das oficinas e contações de história", disse. Quem também espera ser vista é a equipe da Livraria Ca d'Ori. Além do acervo diversificado que estará à disposição do leitor, o público terá a chance de conversar com as autoras nacionais Nana Pauvolih e Gisele Souza, em datas ainda a serem divulgadas. "Juiz de Fora tem público que estava ávido por este tipo de evento. Acredito que a Bienal será uma nova porta que vai ampliar as fronteiras do setor. Vamos ter lançamentos, dicas de livros, porque todos os expositores e donos são amantes dos livros e estão preparados para oferecer bom atendimento a todos os visitantes", destacou uma das proprietárias Ângela Lopes. O gerente geral do Independência Trade Hotel, José Carlos Branco, disse que o momento escolhido para a Bienal traz expectativas positivas. "Já recebemos ligações de mais de 30 responsáveis por excursões de cidades vizinhas e até do estado do Rio de Janeiro buscando informações. Apoiamos a iniciativa para ter novidades que movimentem a cidade. Junho é um mês onde não haveria opções e por isso se tornou interessante para o evento, que é ainda mais importante por valorizar a leitura", destacou. Programação da Bienal Nesta semana, a organização divulgou a programação prevista para o auditório e confirmou a presença da autora Marina Carvalho ao lado de Graciela Mayrink em bate-papo literário na quinta-feira (16). O destaque da abertura na terça (14) será Luiz Ruffato em uma mesa-redonda com Sheila Smanioto sobre a Sociedade Brasileira, às 15h. E Chris Mello e Maurício Gomyde irão falar sobre a construção do romance na sexta (18). Patricia Barboza, no sábado (18), e Carina Rissi, no domingo (19), estarão em bate-papos com os leitores. Ao longo dos seis dias de Bienal, estão previstas no Auditório mesas-redondas sobre literatura e terapia, literatura e esporte. Discutindo a função da literatura e o que fazer depois que escrever um livro. Outros eventos ainda serão divulgados pela organização. A entrada é gratuita, mas é necessária a retirada do ingresso. O processo será feito no dia do evento, mas quem adiantar, já pode garantir a entrada pela internet, após cadastramento. Os organizadores reforçam a importância de que escolas públicas e particulares agendem visitas. pois poderão receber atendimento personalizado. A 1ª Bienal do Livro terá 45 estandes de editoras, livrarias e distribuidoras locais e nacionais em um espaço de 2.600 metros quadrados no Centro de Convenções do Independência Trade Hotel, no Bairro Cascatinha. A Bienal estará aberta entre terça-feira e sábado, das 9h às 22h, e no domingo, das 10h às 19h. Confira a programação: Dia 14 de junho - Terça-feira Abertura da Bienal com Fernando Franco e Marta Gusmão. Dia 15 de maio - Quarta-feira 14h - Encontro com crianças e lançamento do livro "Sem Fraldas", de Flávia Cipriani. 19h30 - Encontro com jovens dado por Isabel Pequeno, editora do Caderno 2 da Tribuna de Minas e coautora do livro "Crônicas - Esportes" Dia 16 de maio - Quinta-feira 10h - Encontro com crianças e lançamento do livro "Uma Gatinha Chamada Sofia", de Efigênia Viana 14h - Encontro com crianças e autógrafos com Fernanda Costa, autora de "O Sabiá que não podia voar" 15h - Encontro com crianças e autógrafos com Alcina Cardoso, autora de "Pisca-alerta" (livro sobre trânsito) 17h - Encontro com jovens sobre "O Mangá - sua origem e nos dias de hoje", com Alberto Pinto 19h - Mesa de debates - "A crônica" com mediação de Maria Elizabeth Sacchetto, participação de Maria de Lourdes Abreu de Oliveira e Rodrigo Barbosa, coautores de "Contos - Esportes" e "Crônicas - Esportes" Dia 17 de maio - Sexta-feira 09h30 e 14h30 - Contação de histórias para crianças e interessados, com autógrafos de Iris Borges, autora de "Teca", "A primeira vez no circo", "Rosa Morena", "Mágicos", malabaristas e trapezistas", "Quer conhecer meus livros?"; "Quer conhecer a natureza?" e a "A arte de encantar com histórias". 10h, 10h45, 14h e 15h - Oficina de origamis com Ana Maria de Andrade, autora de " Ar doce ar", "Terra-Mãe", "Água Viva" e "Planeta menos" 10h30 e 15h30 - Contação de histórias e autógrafos de Iris Borges 14h - Encontro com crianças e autógrafos com Álvaro Mordenell, autor e dono da Editora Mais Ativos Educação Financeira, e que está lançando o livro "Quer conhecer o dinheiro?". Autógrafo também de Iris Borges, com o lançamento do livro "Quer conhecer a natureza?" 15h30 - Encontro com crianças e autógrafos com Claudia Miranda, autora de "Entre cigarras e formigas" 18h30 - Oficina para professores - Origami na sala de aula - com Ana Maria de Andrade 19h30 - Oficina para professores sobre contação de histórias e autógrafos com Iris Borges: A arte de encantar com histórias 20h30 - Oficina com professores e interessados em Educação Financeira com Álvaro Modernell, autor de livros didáticos e litirários sobre o assunto da oficina. Ele é também dono da Editora Mais Ativos Educação Financeira 18 de maio - Sábado 09h30 - Bate-papo literário com Iris Borges sobre seus livros e lançamento do "Rosa Morena". O autor e Álvaro Modernell também estará presente com o lançamento do livro "Quer conhecer o dinheiro?" 10h30 - Autógrafos: autora e ilustradora Neli Aquino encontra seus leitores de "A viagem de Worblet" (como autora); "A festa da Tati"; "Três contra um" e "Poeminhas musicais" (como ilustradora) 10h30 - Oficina para professores sobre Educação Financeira na escola, com Álvaro Modernell, especialista e dono da Editora Mais Ativos Educação Financeira 15h - Autógrafos: autora Maria Helena Sleutjes, de "O baú das piratas poetas" e outros livros, e o ilustrador Alberto Pinto, de "Os três Porquinhos", "O dia do rio", "Nomes", e "Cada letra uma aventura". Alberto Pinto estará fazendo caricaturas dos interessados 15h - Festival de contação de histórias: Iris Borges, Dalila Roufi, Juliana James, Maria Helena Sleutjes, Álvaro Modernell e interessados 16h - Autógrafos: Juliana James, autora de "Quem mora ao lado?"; Álvaro Modernell, autor de "Quer conhecer o dinheiro?" e Dalila Rouf, autora de "A menina do sim, o menino do não" 16h - Oficina para professores: Como trabalhar a poesia em sala de aula, com Marta Gusmão e Maria Diva Boechat, culminando com a contação de histórias de Iris Borges 17h - Oficina para professores sobre a contação de histórias, e autógrafos com iris Borges: A Arte de Encantar Com Histórias 17h - Lançamento da nova edição do livro "Arret", de Maria Diva Boechat e autógrafos junto com Marta Gusmão, com quem ela escrever o livro "João e Maria da Amazônia", também em nova edição e autógrafos com Marta Gusmaõ e Tânia Gusmão, coautoras dos livros "Ana e o gato"; "A pata Pituca"; "O rato Maroto" e "O tucano Solano". Autógrafo também com Vera Ribeiro guedes, autora do livro "As cores do meu Brasil" 18h - Oficina para professores e interessados sobre "A importância da ilustração nos livros infantis" com intermediação de Iris Borges e a participação de Amanda Freitas, Ezidras Farinazzo e Sandra Guarilha (ilustradores de Franco Editora) 19h - Oficina para professores sobre Educação Financeira com Álvaro Modernell, especialista e dono da Editora Mais Ativos Educação Financeira Dia 19 de maio - Domingo 10h - Encontro com crianças e lançamento do livro "Uma gatinha chamada Sofia", de Efigênia Viana 10h - Bate-papo literário com Iris Borges sobre seus livros e lançamento do "Rosa Morena" 15h - Festival de contação de histórias com iris Borges, Fernando Franco, Marta Gusmão e interessados 15h - Autógrafos com vera Ribeiro Guedes, autora do livro "As cores do Meu Brasil" 16h - Lançamento do livro "Controle do caos", de Alexandre Olortegui Mossé e Ana Goulart Fonte: G1 / Globo.com
Mais informações »

Copa América e Major League Soccer: Overdose de futebol nos Estados Unidos

Após vários meses de espera, finalmente a bola está rolando na Copa América Centenário. Um torneio que, do ponto de vista esportivo, proporciona uma grande oportunidade para os treinadores das distintas Seleções, que aproveitarão esse tempo com seus elencos para avançar na consolidação de seu estilo e, desta maneira, chegar na melhor condição possível para a retomada das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018 na Rússia. Os Estados Unidos são o segundo país onde mais gente joga futebol: 24,5 milhões de pessoas, segundo a FIFA, somente atrás da China (26,1 milhões) e à frente da Índia (20,5), Alemanha (16,3) e Brasil (13,2). São o segundo país com mais jogadores federados, 4,2 milhões, só ficando atrás da Alemanha (6,3). Na Copa da África do Sul, em 2010, a final foi vista por 24,3 milhões de espectadores. Na final do Brasil, em 2014, eram 26,5 milhões de espectadores nos EUA – foi a partida de futebol mais vista da história nesse país. Todos esses dados indicam um mercado em expansão para o futebol, talvez o único que resta, ao lado da China. No entanto, a Copa América Centenário vale muito mais do que isso para os Estados Unidos, um país que, apesar do enorme investimento em recursos humanos, materiais e financeiros, ainda está muito longe de conquistar um lugar de destaque na modalidade a nível mundial. Ao meu ver, as próximas semanas serão de extrema importância para o futuro do soccer nos Estados Unidos. Pela primeira vez na história, o esporte que mais tem adeptos no mundo, será a principal atração para os aficionados norte-americanos. Além do que a Copa América, torneio que reúne quase todas as grandes estrelas do continente, possa despertar, a Major League Soccer seguirá em atividade paralela à competição continental. A partir do dia 18 de junho as duas competições serão disputadas ao mesmo tempo. A MLS terá duas semanas de descanso, tempo no qual se disputarão 24 partidas da fase de grupos da Copa América. Já nas quartas de final, especificamente nos jogos C1xD2 e D2xC1, a população dos Estados Unidos terá a possibilidade de escolher entre assistir às partidas do campeonato local (MLS) e as do torneio mais antigo do mundo. Basicamente, porque serão disputados não só no mesmo dia, mas também no mesmo horário. O terceiro duelo das quartas de final, começará na mesma hora que Vancouver Whitecaps x New England Revolution no BC Palace Stadium. Uma hora mais tarde, uma chuva de jogos: Toronto x LA Galaxy; Columbus Crew x Montreal Impact; Orlando City x San Jose Earthquakes; Houston Dynamo x DC United; Colorado Rapids x Chicago Fire e Real Salt Lake x Portland Timbers. Enquanto toda rodada 15 da MLS estiver sendo disputada, em San Francisco, no mesmo horário, estará sendo definido o último semifinalista da Copa América Centenário. Esta maratona de jogos acontecerá novamente na quarta-feira, dia 22 de junho, quando será disputado o segundo jogo correspondente a semifinal do torneio continental. Na mesma hora, DC United e New England Revolution se enfrentarão pela 16ª rodada da Major League Soccer. E mais tarde, confrontos entre Real Salt Lake x New Yor Red Bulls e LA Galaxy x Colorado Rapids, entram em cena. O caso que mais chama atenção é do dia 25 de junho, data em que será decidido o terceiro lugar da Copa América. O mesmo, pode ser ofuscado pelas 7 partidas da MLS que acontecerão no mesmo dia, 4 delas na mesma hora: Montreal Impact x Kansas City; Columbus Crew x New York Red Bulls; Orlando City x Toronto e FC Dallas x Real Salt Lake. Já na final será diferente, pois a partida decisiva acontecerá às 19h30 (horário local), logo depois do jogo entre Portland Timbers x Houston Dynamo pela Conferência Oeste. Provavelmente manter a MLS durante esses dias, não seja a melhor estratégia para promover a Copa América no país, no entanto, o feito de se jogar tantas partida ao mesmo tempo e, em alguns casos, em cidades muito próximas, pode ser uma boa ideia para contagiar o norte-americano com a emoção da bola redonda. O certo mesmo é que: nas próximas semanas se escutará o grito de 'gol' como nunca antes nos Estados Unidos. Talvez até mais forte que um 'home run'.
Mais informações »

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Sérgio Sasaki e Arthur Nory se firmam como pilares do time do Brasil

Arthur Zanetti já garantiu vaga no quinteto brasileiro para as Olimpíadas do Rio de Janeiro, mas o páreo interno pelos quatro postos restantes segue aberto. Dois ginastas lideram essa corrida e estão bem perto da convocação. Ginastas mais completos do Brasil, Sérgio Sasaki e Arthur Nory se firmaram como os pilares do time verde-amarelo. Os dois não veem competição entre eles, mas disputam o posto de número 1 do país. - Está todo mundo focado, treinando junto, sem ninguém se isolar. Houve anos que tinha gente que se isolava, mas desde o ano passado a equipe está muito fechada. Agora é vaga olímpica. É o Big Brother da Ginástica. São 12 ginastas, e no dia 18 (de junho) vamos saber quem que vai para o paredão. A gente brinca de ver quem é o líder depois de cada competição. A gente só brinca - contou Nory. A liderança do “Big Brother” da seleção de ginástica voltou para Sérgio Sasaki depois da etapa de São Paulo da Copa do Mundo. Finalista do individual geral nos Jogos de Londres, o ginasta de 24 anos desde 2012 é considerado o mais completo do Brasil. No ano passado, porém, ficou afastado das competições para se recuperar de lesões no joelho e no ombro. Arthur Nory, de 22 anos, assumiu a lacuna da ausência de Sasaki e foi o melhor da equipe no Mundial de 2015, em Glasgow. Agora os dois se alternam na ponta do páreo olímpico interno. Finalista dos três últimos Mundiais, Nory abriu a temporada com uma medalha de prata na etapa de Glasgow da Copa do Mundo de individual geral, que reúne os melhores generalistas do mundo. Sasaki só voltou a competir nos seis aparelhos no evento-teste dos Jogos do Rio, em abril. Na ocasião, ele teve falhas e só conseguiu uma boa série no cavalo com alças. Em São Paulo, cada um se apresentou em três aparelhos, e Sasaki se destacou, com um ouro e duas pratas, contra um ouro de Nory. - Sasaki vem em uma evolução bastante grande. Aqui ele mostrou um bom primeiro salto e gostei bastante da série de barra fixa. Acho que está em um bom caminho. Tem que manter o foco para poder trabalhar e entrar na equipe. Ele está voltando. O Nory, em São Paulo, eu não gostei muito, mas ele vem em um processo de treinamento forte. São poucas coisas para corrigir no Nory. Está em um bom caminho também. Acho que vai ser um ginasta bastante importante nos Jogos - analisou Leonardo Finco, coordenador da seleção brasileira masculina de ginástica artística. Apesar dos erros em São Paulo, Nory tem apresentado maior consistência nesta temporada. Sasaki, por outro lado, já mostrou séries com maiores dificuldades. Se somadas as melhores notas em cada aparelho neste ano, o finalista olímpico leva vantagem. - Eu não me ponho como o melhor do Brasil, nem sei se ele se põe. Sou um ginasta como qualquer um e quero conquistar meu espaço. Quero fazer um trabalho bem feito - afirma Sasaki. A concorrência existe, mas um ginasta apoia o outro. Os dois moram no mesmo prédio no Rio de Janeiro, em apartamentos alugados para receber a seleção, perto do centro de treinamento da Barra. - A gente sempre se ajuda, conversa. Pego muita experiência com o Sasaki, que tem bastante bagagem. Ele foi meu ídolo, espelho quando era menor. A gente sempre conversa de ginástica. Vivemos isso juntos. Quando ele cresce, eu cresço. É uma coisa de mão dupla, a gente cresce junto - disse Nory. Além dos dois ginastas, estão no páreo dos generalistas Caio Souza, Francisco Barretto, Lucas Bitencourt, Petrix Barbosa, Péricles Silva, Fellipe Arakawa, Henrique Flores e Angelo Assumpção. Quarto colocado do individual geral nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, Caio foi elogiado pelo técnico-chefe da seleção, Renato Araújo, e está na cola de Sasaki e Nory.
Mais informações »
 
Traduzido Por Mais Template
Template by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top